Eu vou ou fico em casa? Tomo coragem ou tomo aquele Cabernet 1975 guardado no armário? Invento uma desculpa ou só dou uma passadinha? Vou de lingerie sexy ou com a que eu tô mesmo? Nunca se sabe, né? Salto ou rasteira? Vestido ou jeans? Batom rosinha discreto ou AQUELE vermelho? E se ele não estiver lá? Mas e pior, se ele estiver? Chego mais cedo ou atraso um pouco? Cumprimento ele primeiro ou por último? Abraço ou um beijinho no rosto? Aceno de longe? Falo com a namorada dele? Respondo se falar comigo ou ignoro educadamente? Vou ao banheiro tirar metade do batom ou fico sentada e deixo pra lá? Foi o vinho que acelerou meu coração desse jeito? Encaro mesmo ou finjo que nem me lembro que ele está aqui? Converso com o pessoal ou pago de misteriosa mexendo no celular? Digo que vou pra outro lugar, por isso estou tão arrumada? Digo que vim só dar uma passada e tenho outro compromisso? Vou mesmo me encontrar com o pessoal do trabalho em outro bar ou vou pra casa chorar e tomar mais vinho? Peço mais uma taça? Bebo devagar pra não dar vexame ou rápido pra parar de me incomodar? Me despeço dele ou dou um boa noite geral? Falo com todo mundo e ignoro de propósito? Vou andando até o ponto de táxi da esquina com esses saltos? Tiro os sapatos ou vou devagarzinho pra não tropeçar? Saio correndo e finjo que não ouvi ele me chamando? Ou viro e ouço o que ele tem pra falar? E se ele estiver com a namorada? E se eles estiverem indo embora também? E se eu me arrepender de virar? E se a namorada dele aparece e ouve o que ele tá me falando agora? Puxo o braço ou coloco a mão em cima da dele? Vou me arrepender disso? Vou ter coragem de dar as costas de novo a ele? Vou conseguir parar de chorar dentro do táxi antes de chegar em casa? Vou te ver descendo de outro táxi e parando em frente ao meu apartamento? Enxugando os olhos e sorrindo pra mim, enquanto diz que ela não era namorada, era só uma amiga, mais uma das suas milhares de amigas? E que não aguentava mais ter me perdido de vista e havia esperado esse dia há muito tempo?

Vou finalmente te fazer aquela pergunta que ficou engasgada há dois anos e podia ter acabado com todas essas outras? Vou.

Mas antes que eu abra a boca, você ajoelha e faz a sua.

E os taxistas, o trânsito, as pessoas, os passarinhos e a rua inteira se calam para ouvir enquanto eu finalmente deixo de perguntar e começo a responder.

Anúncios