Hoje faz 2 anos que eu criei meu perfil no Twitter.

Todo mundo que me conhece sabe o quanto isso mudou a minha vida, influenciou diretamente as minhas amizades, me fez conhecer gente nova, determinou até mesmo os futuros rumos que a minha profissão tomaria.

Através do twitter eu pude me aproximar de gente que eu tava acabando de conhecer, esbarrei sem querer em gente que mora longe e até mesmo descobri pessoas que estavam mais perto do que eu pensava.

Os 140 caracteres também estão presentes no meu dia a dia de trabalho e quando busco informações sobre o assunto na internet. Nas <raras> horas de lazer, além dos rts constantes, também procuro me atualizar sobre meus seriados, blogs e meus vícios em geral usando o Twitter.

A primeira coisa que me perguntam, ao começarem a me seguir na rede é sobre os meus mais de 60 mil tweets escritos de 2009 pra cá. ‘Como vc consegue?’ ou ‘O que tanto você escreve?’

Eu sempre respondo que falo demais. Besteira, na maior parte do tempo. E incrivelmente tenho quase 500 pessoas dispostas a ouvir, dar rt e interagir. E o número só tem aumentado.
Outra coisa sempre questionada é o meu vício em dar RT a todo instante. Também tenho uma resposta padrão : ‘sigo muita gente genial’. E isso é completamente verdade, porque são 871 pessoas que falam e compartilham conteúdo muito relevante. Seja em tom de piada, informação, imagens, músicas, vídeos, links em geral.

Só tenho a dizer que não retuito nem 10% do que gostaria, porque né, já fui acusada de encher a timeline alheia muitas vezes.
Aproveitando a oportunidade, pra quem se se sente incomodado, o unfollow é a serventia da casa. O perfil é meu e eu vou continuar floodando sempre que possível. Acredite, tem <muita> gente que curte. #metida

Tá vendo? Eu sempre dou um jeito de incluir o Twitter em tudo que faço. Vivo botando hashtag e RT em todo canto, por força do hábito.

Já tentei ficar longe do Twitter, mas o máximo que consegui foi um mês ~~na rehab~~, mas quase explodi. Ficava entrando em outras contas só pra acompanhar a timeline. #oipo

Em dois anos de uso intenso, o twitter me assistiu crescer, ouviu pacientemente minhas reclamações sobre faculdade, sobre inúmeros problemas amorosos, sobre insônia na madrugada, sobre entrevistas de emprego, sobre finalmente conseguir o meu estágio, sobre trabalhar, trabalhar, trabalhar, relatórios, powerpoint & excel, amigos que foram embora, amigos que voltaram, amigos que acabaram de chegar.

Dentre os meus maiores vícios e necessidades, deixa eu dizer que consigo perfeitamente viver sem açúcar, sem Cazuza, sem sushi, até mesmo sem meus óculos que me salvam da miopia, mas não consigo viver sem tuitar.

Pra mim Twitter é amor e como já diz minha bio, não existe amor sem RT.
A ideia desse post foi da @angelleleske, uma amiga que conheci ~~adivinha só~~, no Twitter.

Por isso quero fechar esse texto mandando beijos pra galera que eu conheci através do site, pessoalmente ou apenas através dos 140 caracteres <ainda>, tipo a própria @angelleleske,@isayes, a @usergabi, a @gabbosa , a @heyroberta, a @kyodelucena, o @andschuler, o @tocosono, o @byjairothe e tantos, tantos outros que ia faltar linha aqui pra comentar.

Um beijo pra todos vocês que fazem a timeline mais interessante a cada dia.

E um beijo pra os que tão acabando de chegar também, ainda tem muitos anos de rt pela frente.

Por último, o ~~maior~~ beijo de todos pra @biah909 que em um dia de 2009 me disse : ‘ei, tu já tem twitter? tu devia fazer, po.’

Ótimo conselho.

Bjo, me segue que eu prometo que não sigo de volta ;* @gabihmachado

Anúncios