“Mas não deixo de querer conquistar uma coisa qualquer em você.O que será?”

Todo mundo tem coisas mal resolvidas. A gente passa pela vida e vai deixando fios soltos,histórias sem pontos finais e portas entreabertas.

Muitas vezes a gente segue em frente sem ter concluído direito o que ficou,passando direto pra próxima história.

Mas esquecemos que ficou alguma coisa ali.Ficou alguém ali esperando ou apenas sem saber direito como acabou.Porque acabou. Acabou mesmo?

Algumas pessoas agem assim conscientemente. Sabendo que estamos em compasso de espera ou confusos. Gente que precisa ter sempre aguém como opção reserva ou simplesmente tem prazer em manter alguém refém.

Mas o mais comum é realmente estarmos tão ansiosos pelo futuro que esquecemos de resolver o presente ou o passado. Mas sabe, eles voltam pra cobrar resolução.Na verdade eles nunca vão embora. Os vestígios ficam ali, todas as marcas do que aconteceu e do que ficou no ar, sem resposta. A gente vira um constante ponto de interrogação cobrando algo mais.Querendo ou esperando algo mais.

É difícil deixar ir embora se a gente nunca recebeu uma despedida de verdade. Se não se despediu é porque não foi embora de verdade. Ou até foi, mas deixou pedaços demais espalhados por aqui. Nunca foi inteiro.

Eu nunca vou saber.Eu não sei se a gente busca mesmo uma resposta. Se a gente quer mesmo que isso acabe.

Ou é se é mais divertido manter tudo assim suspenso no ar, sem sim e sem não, sempre um ‘quem sabe’?

Mistério é sempre mais atraente. É mais confortável deixar a porta entreaberta pra voltar se um dia quiser.

É mais fácil usar reticências do que ponto finais. É mais fácil seguir em frente e não olhar nunca pra trás, pra não ter que mexer em coisas complicadas,mas tudo bem brincar com elas sempre que possível.Mesmo que seja brincar com fogo e enxames de abelhas. Mesmo que se acendam placas de néon na minha cabeça escritas ‘Perigo.Mantenha distância’.Mas mesmo assim eu vou.

Eu acho que você gosta de brincar com as fagulhas que ainda ficaram por aqui.Não importa se elas podem me ferir no final do seu jogo. Não importa se a gente não devia fazer isso,mas faz mesmo assim.

Você também levou pedacinhos de mim junto com você.E quando você aparece por perto eu ainda fico lembrando e pensando em como eu me sinto incompleta sem você do meu lado.

Eu quero ser inteira de novo. Mas eu não sei se eu quero os meus pedaços de passado de volta. Não sei também se quero entregar o que você deixou comigo.

Não sei se eu quero abrir os dedos e deixar você ir embora de vez, soltando os últimos pedaços que eu ainda consigo alcançar.

Não quero ouvir o nosso ponto final, não quero que o nosso adeus fique tranquilo e maduro,desejando as melhores coisas do mundo pra cada um.

Não, eu quero ser boba e infantil pra ter raiva de você. Pra ter raiva porque você é assim desse seu jeito, tão burro por me perder, tão esperto pra querer ficar longe de mim, tão desapegado pra me deixar ir embora sem nem me pedir pra ficar. Raiva é pelo menos o meu jeito de dizer que você ainda tá aqui,sabe. Você ainda faz diferença, eu ainda lembro de tudo e na minha cabeça você não virou parte do cotidiano. Você não virou mais um dos meus conhecidos, alguém que passa e eu não ligo, ou mesmo alguém que eu quero que seja feliz.
Não.Se for pra ser sincera eu quero que você sofra por cada dia que estiver longe de mim até entender finalmente que o único lugar certo pra estar é do meu lado. Eu sonho com o momento em que você vai bater na testa de madrugada e dizer ‘que merda que eu fiz’ e me ligar pedindo pra voltar.

Você não virou todo mundo.Ainda. Você ainda é você, separado do resto.

Por enquanto eu finjo que não ligo. Eu finjo que não vejo, eu finjo que pra mim você é nada.

Mas aí você sorri e eu fico hipnotizada pensando em como você pode ser tão lindo e tão idiota ao mesmo tempo.

E você nota e sorri de volta,daquele jeito cafajeste, sabendo que ainda me ganha na hora e achando a maior graça disso.

Vai,continua brincando com isso e achando que nem dá problema. Se você não parar eu também não paro. A gente finge que não é nada pro resto do mundo.

A gente finge que andar descalços num campo minado não é nada demais.Eu finjo que você é só mais um enquanto o mundo lá fora pára de girar no seu sorriso.

“Nada tem que dar certo
Nosso amor é bonito
Só não disse ao que veio
Atrasado e aflito
E paramos no meio
Sem saber os desejos
Aonde é que iam dar
E aquele projeto
Ainda estará no ar…”

Anúncios